agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-cna-senar-agronegocio-agrotech-startse-sp-2
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-feira-tributacao-2
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-fenasoja-santa-rosa-9
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-agrobrasilia-inova-feira-5
rede-rs-cidade-2024-brasil-inovador-rio-grande-sul-aldo-rosa-ceo-reconstrucao-doacoes-resgate-acolhimento-abrigo-municipio-enchente-randoncorp-daniel-instituto-elisabetha-randon

CNA discute demandas e panorama das cadeias de grãos, feijão e pulses

CNA discute demandas e panorama das cadeias de grãos, feijão e pulses

CNA discute demandas e panorama das cadeias de grãos, feijão e pulses

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou durante a semana de reuniões para discutir demandas das cadeias produtivas de milho e sorgo, culturas de inverno, feijão e pulses. Na quinta (4), a Câmara Setorial de Feijão e Pulses do Ministério da Agricultura debateu a abertura do mercado Chinês para exportação do gergelim brasileiro. Cerca de 50% da produção mundial de gergelim é importada pela China.

De acordo com o assessor técnico da CNA, Tiago Pereira, neste ano, o gergelim se tornou uma boa opção para o cultivo de segunda safra.

“O Brasil deve produzir cerca de 174 mil toneladas do grão nesta safra. As negociações entre os governos brasileiro e chinês começaram há cerca de dois anos e as tratativas estão concentradas nos requisitos fitossanitários”, explicou Tiago.

Reunião da Câmara Setorial de Feijão e Pulses no Ministério da Agricultura, na quinta (4)
Já na quarta (3), a Câmara Setorial de Culturas de Inverno tratou da conjuntura do setor. Na entressafra, os produtores analisam se as variáveis relacionadas ao mercado, como previsão climatológica, são interessantes para a realização da semeadura do trigo ou de outra cultura.

A estimativa é de recuperação de produtividade na safra 2024/25, que inicia em agosto de 2024 e encerra em julho de 2025. A estimativa é que sejam plantados 3.264,7 mil hectares (-6%), com produtividade de 2.937 kg/ha (+28%) e colhidas 9.587,9 mil toneladas (+18,4%).

Ainda na quarta (3), os assessores técnicos da CNA Carlos Eduardo e Tiago Pereira acompanharam as discussões na Câmara Setorial de Milho e Sorgo.

A reunião teve como pauta o fortalecimento no processo de logística para o escoamento interno das culturas e a importância do direcionamento de um maior volume de recursos para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR).

Durante a reunião foram apresentados dados com o objetivo de reforçar a necessidade da implantação de novas ferrovias no país, ligando principalmente a região Sul ao Centro-Oeste brasileiro para abastecimento interno do milho.

Os resultados do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) em 2023 também foram apresentados. Para a cultura do milho, somadas 1ª e 2ª safra, houve cobertura de cerca de 1,25 milhão de hectares com um valor segurado de R$ 6 bilhões. Para o sorgo, a área segurada em 2023 foi de 83 mil hectares, com um valor segurado de R$ 227 milhões.