agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-cna-senar-agronegocio-agrotech-startse-sp-2
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-feira-tributacao-2
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-fenasoja-santa-rosa-9
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-agrobrasilia-inova-feira-5
rede-rs-cidade-2024-brasil-inovador-rio-grande-sul-aldo-rosa-ceo-reconstrucao-doacoes-resgate-acolhimento-abrigo-municipio-enchente-randoncorp-daniel-instituto-elisabetha-randon

CNA debate desafios e futuro dos produtores de cana

CNA debate desafios e futuro dos produtores de cana

CNA debate desafios e futuro dos produtores de cana

O diretor técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Bruno Lucchi, participou do Cana Summit 2024, na quinta (11), em Brasília (DF), como mediador em um painel de debate com especialistas sobre os caminhos para o produtor do futuro.

A CNA foi uma das apoiadoras do evento, realizado pela Organização de Associações de Produtores de Cana do Brasil (Orplana). O evento reuniu produtores de cana, associações, cooperativas, profissionais e lideranças do setor para tratar sobre o futuro da produção de cana-de-açúcar no país.

Bruno Lucchi, diretor técnico da CNA, foi mediador de painel no Cana Summit
Na abertura do painel, Lucchi falou da importância do setor sucroenergético e destacou o debate qualificado promovido pelo Cana Summit deste ano. “O setor produtivo precisa estar unido para avançar em questões muito relevantes para o agronegócio brasileiro”, disse.

Estiveram presentes no painel o professor da Universidade de São Paulo (USP) e da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Marcos Fava Neves, o diretor do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), Marcos Landell, e o presidente da Associação Brasileira de Agronegócio (Abag), Caio Carvalho.

Neves fez uma apresentação do panorama atual do setor e traçou um cenário futuro. Segundo ele, é grande a preocupação com os impactos climáticos, mas ressaltou as novas tecnologias aplicadas ao etanol e pontuou a possibilidade de aumento de consumo do açúcar no consumo nos países emergentes.

Marcos Fava Neves apresenta cenários para produtores do setor sucroenergético
Do ponto de vista do produtor, Neves explicou sobre a necessidade de uma gestão financeira efetiva, da excelência operacional e ambiental, da obsessão nos controles, desenvolvimento de lideranças e ampliação do associativismo e cooperativismo.

O presidente da Abag falou das tendências de crescimento do setor canavieiro em relação a sua produtividade. Para ele, será preciso enfrentar as questões climáticas, principalmente, com investimentos em irrigação e que o desafio da produtividade passa pela sucessão familiar e a busca de alternativas de crédito, até menos com a entrada de capital externo. “Temos que estar integrados para sermos, cada vez mais, produtivos e competitivos”, disse.

Landell explicou a necessidade de se ampliar os estudos e pesquisas voltado para o setor e também do trabalho que deve ser feito para a sucessão familiar. Ele deu exemplos de aumento de produtividade, e consequentemente da competitividade, com aplicação de pesquisas e desenvolvimento.

Evento – A CNA participa do Cana Summit 2024 desde quarta (10) defendendo os interesses dos produtores do setor sucroenergético do país em pautas como o mercado sustentável e oportunidades de rentabilidade para o produtor.

Evento reuniu produtores de cana, associações, cooperativas, profissionais e lideranças do setor
O vice-presidente da CNA, José Mário Schreiner, participou da abertura do evento e de um painel político com parlamentares sobre tramitações de projetos de interesse do setor no Congresso Nacional. Acesse aqui a matéria.

Durante o evento, o setor produtivo destacou, entre outros assuntos, o papel da cana-de-açúcar na descarbonização da cadeia agropecuária e o repasse dos Créditos de Descarbonização (CBios) aos produtores independentes de biomassa.