agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-cna-senar-agronegocio-agrotech-startse-sp-2
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-fenasoja-santa-rosa-9
rede-rs-cidade-2024-brasil-inovador-rio-grande-sul-aldo-rosa-ceo-reconstrucao-doacoes-resgate-acolhimento-abrigo-municipio-enchente-randoncorp-daniel-instituto-elisabetha-randon
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-gaff-agribusiness-festival-xp-sp
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-plataforma-cna-senar-agronegocio-expointer-confirmada-governo-rs-2

CEO da Logcomex cita cinco desafios do agronegócio para o segundo semestre 

CEO da Logcomex cita cinco desafios do agronegócio para o segundo semestre 

CEO da Logcomex cita cinco desafios do agronegócio para o segundo semestre

Segundo Helmuth Hofstatter é preciso que todos os envolvidos no setor acompanhem mudanças e tendências

O agronegócio é um dos pilares de sustentação da economia brasileira e tem mantido um cenário positivo há anos, mesmo diante de dificuldades. O Brasil é, inclusive, responsável por grande movimentação mundial, em termos de importação e exportação, em diferentes cultivos.

De acordo com Helmuth Hofstatter, CEO e fundador da Logcomex, empresa que oferece tecnologia para o comércio exterior por meio de uma plataforma completa end-to-end, ajudando gestores a planejar, monitorar e automatizar o seu supply chain, o agronegócio é o principal segmento da economia nacional, representando 25% do Produto Interno Bruto (PIB). “Neste ano, porém, o PIB do agro pode cair de 0,5% a 1% devido aos problemas climáticos que afetam o país e, consequentemente, causam perdas de produção no campo, além de aumentar custos do consumo intermediário”, explica.

O executivo acredita que, apesar dessa possível queda,  a tendência em geral é que o agronegócio continue crescendo muito no Brasil e, para o segundo semestre, alguns desafios terão que ser considerados por todos os que estão envolvidos no setor. São eles:

Novas tecnologias – Segundo Hofstatter, é uma tendência do agro, já que a agricultura demanda cada vez mais tecnologias para melhorar a produção e a eficiência. “A sustentabilidade é uma preocupação do setor. Neste ano, a Internet das Coisas (IoT) deve ganhar destaque,  já que coleta dados em tempo real, o que permite monitorar o clima e saúde da lavoura, por exemplo. A robótica também vem com força, otimizando o uso de máquinas em tarefas repetitivas ou perigosas”, afirma.

Inteligência Artificial – O executivo explica que trata-se de uma inovação que está ganhando espaço e mudando o cenário do agro. “O recurso pode ser utilizado para monitoramento do campo, identificação de escalas, controle de pragas e doenças, previsões de safra e ainda para otimizar a gestão de produção”.

Crescimento do ESG – De acordo com Hofstatter, é cada vez mais necessário acompanhar o ESG na agroindústria, já que a demanda por produtos mais frescos, saudáveis e produzidos de maneira sustentável é maior dia após dia. “As empresas do agro precisam se adaptar e adotar as práticas ESG até mesmo a fim de vantagens nas produções, como: redução de custos, aumento da produtividade e melhoria da imagem e reputação da empresa”, avalia.

Mecanização da lavoura – A tendência  vem ganhando mais força a cada ano, segundo o CEO da Logcomex. “A pulverização por drones, por exemplo, a irrigação inteligente e o uso de robôs nas plantações devem ficar mais comuns esse ano”.

Digitalização da aquisição de insumos – O uso de softwares de gestão agrícola, plataformas de e-commerce e tecnologias de rastreabilidade para garantir a segurança e maior eficácia dos insumos são exemplos. “Entre os benefícios estão a redução de custos e maior eficiência dos serviços. Além disso, a possibilidade de comparar preços, facilitar pedidos, o recebimento de notificações e de status”, finaliza.

Sobre a Logcomex

Criada em 2016, a Logcomex desenvolve soluções de tecnologia e oferece uma plataforma que auxilia as empresas no planejamento, monitoramento e automatização do supply chain global. A maior startup de comércio exterior do Brasil conta com aproximadamente 300 colaboradores, e está presente em mais de 11 países espalhados por cinco continentes. A empresa oferece soluções como visibilidade em tempo real, eficiência na gestão de ponta a ponta da operação e informações estratégicas para negócios que atuam no comércio exterior.

Sobre Helmuth Hofstatter

Empreendedor Endeavor, co-fundador e CEO da Logcomex, estudou administração e comércio internacional, possui mais de 20 anos de experiência no segmento de logística internacional, tecnologia e comércio exterior. É especialista em gestão de produtos e apaixonado por desenvolver soluções voltadas ao universo do comércio exterior. Desde 2016 lidera a empresa e é diretamente responsável pelos times de Tecnologia.